Você está aqui
Início > ENTREVISTAS > Radiação infravermelha no combate à celulite

Radiação infravermelha no combate à celulite

Caso você seja mulher e tenha mais de 20 anos, a possibilidade de apresentar celulite é de 90%, segundo estimativas da área médica. Somente no Brasil, mais de 85 milhões de mulheres relatam sofrer com o problema, enquanto apenas 2% dos homens são acometidos por ele.

A sorte é que, com o crescente avanço da ciência, várias técnicas estão sendo utilizadas para tratar a celulite, que promove alteração do relevo e uma aparência de “casca laranja” ou “colchão” à pele. A termografia, por exemplo, é um método não invasivo que detecta a luz infravermelha emitida pelo corpo e permite a visualização das mudanças de temperatura corporal relacionadas à alteração no fluxo sanguíneo cutâneo. Agora, o exame está sendo usado com sucesso na avaliação da celulite, além de auxiliar no tratamento.

“Na área da estética, a termografia pode ser usada, além do combate à celulite, no acompanhamento dos tratamentos de redução de gordura corporal e melhora da qualidade da pele, personalizando o atendimento com resultados mais eficazes e satisfatórios”, explica a fisioterapeuta dermatofuncional Gabriela Abreu que atua na Clínica Refine, em Belo Horizonte.

Segundo ela, o aparelho usado para realizar o exame não é invasivo e capta o calor emitido em diversos pontos do corpo, além de ser indolor e sem radiação ionizante. A técnica também capta e registra imagens hiporradiantes, como as observadas em regiões do corpo que receberam a criolipólise. “Dessa forma, a paciente receberá o melhor tratamento para sua composição corporal”, acrescenta a fisioterapeuta. Batemos um papo com Gabriela para tirar algumas dúvidas.

Ícaro Ambrósio Pergunta para Gabriela Abreu:

A Fisioterapeuta Gabriela Abreu (foto: arquivo pessoal).
A Fisioterapeuta Gabriela Abreu (foto: arquivo pessoal).

90% das mulheres acima dos 20 anos tem celulites. Não é um número assustador?
Geneticamente a mulher foi “desenhada” para ter celulite. Existem dois fatores importantíssimos nesse processo. O primeiro é hormonal e o segundo estrutural. O estrógeno é o hormônio responsável pelo acúmulo de gordura na mulher e desempenha o papel hormonal. A questão estrutural está relacionada à disposição do tecido adiposo (gordura) que no homem é oblíqua e não perpendicular como nas mulheres, favorecendo o a pele em aspecto de “casca de laranja”. Portanto, apesar de ser um número alto, não é considerado assustador.

É possível evitar a celulite?
Sim, a celulite pode ser evitada adotando hábitos de vida saudáveis. Uma dieta equilibrada, atividade física regular e tratamentos estéticos podem ajudar no combate à celulite.

Hoje em dia existem muitos tratamentos para combater a celulite. Qual o mais eficaz?
Apesar das evoluções no tratamento para a celulite, não existe uma técnica especifica que seja mais eficaz porque devemos sempre respeitar a individualidade de cada paciente e para isso é necessário uma avaliação detalhada de cada caso e posterior indicação terapêutica. Por exemplo: a endermologia (sucção à vácuo) é uma técnica muito usada para tratamento da celulite, porém pacientes com flacidez cutânea não se beneficiam tanto desta terapêutica sendo talvez indicado a radiofrequência.

Um método que você sugere para o combate é a radiação infravermelha. Por que?
A termografia, que é baseada na radiação infravermelha, não é um tratamento, mas sim um método de avaliação da celulite. Na celulite os padrões de emissividade cutânea (radiação infravermelha) ficam alterados e a avaliação termográfica consegue detectar qual o padrão desta alteração, se hiperradiantes (mais quente) ou hiporradiantes (mais frio) e com isso direcionar qual o melhor tratamento para cada caso.

Qual a diferença da radiação infravermelha para outras formas de tratamento?
A termografia não é um tratamento, mas sim um método de avaliação.

Pagando mais fica mais fácil de ter aquele corpinho livre do problema?
Felizmente não! O preço dos tratamentos para celulite sofre grande variação de pessoa para pessoa devido à especificidade do tratamento para cada caso. Por ser classificada em diferentes graus, os casos mais graves (grau 3 e 4) requerem múltiplos tratamentos e, neste caso, talvez mais caros. Porém nas celulites mais brandas (grau 1 e 2), os tratamentos mais simples, como a drenagem linfática, pode gerar resultado bastante satisfatório.

E depois que a celulite vai embora, o que é necessário fazer para manter o corpo sem este terror estético?
Lembrar sempre que todo bom resultado estético é uma tríade: atividade física, dieta e o tratamento estético. Então sempre que atinge-se um resultado estético satisfatório é necessário manter uma boa alimentação, atividade física e sessões estéticas de manutenção.

Ícaro Ambrósio
Ícaro Ambrósio é jornalista e editor-chefe do site O Contorno de BH.

Deixe uma resposta

Top