Você está aqui
Início > BANCO DE IDEIAS > Fonoaudióloga ensina sobre rejuvenescimento facial em livro

Fonoaudióloga ensina sobre rejuvenescimento facial em livro

Com foco no funcionamento dos músculos faciais e na harmonia de expressões e movimentos, a fonoaudiologia estética ainda é um tema pouco conhecido, tanto para leigos quanto para a comunidade científica. Mas o fato é que a musculatura do rosto também pode ser tonificada por meio de técnicas específicas, capazes de aprimorar as funções de mastigação, deglutição e respiração. Como resultado, o paciente obtém uma fisionomia mais harmoniosa, firme e suave, com direito a atenuar sinais de envelhecimento.

Este é o mote do livro “Fono: função e estética” (Benvinda Editora), recém-lançado pela fonoaudióloga mineira Valesca Resende. Especialista em Motricidade Orofacial, ela desenvolveu um protocolo próprio de técnicas e exercícios. “Há dez anos, quando fiz o mestrado na área, tive muita dificuldade em encontrar bibliografia especializada. Desde então, venho coletando estudos, métodos e experiências, que agora compartilho neste livro. Não é um manual para fazer em casa, mas, sim, uma fonte de pesquisa e de referência”, diz a autora.

No livro, a fonoaudióloga propõe uma série de técnicas sequenciais para aprimorar a motricidade orofacial. Entre elas, drenagem linfática manual (DLM), manipulação muscular, crioterapia e eletroestimulação. “A técnica da crioterapia, por exemplo, diminui inchaço, olheiras e, principalmente, potencializa a contração muscular durante os exercícios faciais. Já a eletroterapia trabalha grupos musculares ou pontos motores que necessitam ser reabilitados em pacientes que sofreram traumatismo craniano encefálico, acidente vascular encefálico, paralisia cerebral ou facial, disfagia e alterações musculares na face e no pescoço”, descreve Valesca.

Em relação aos exercícios propriamente ditos, a profissional exemplifica os tipos e funções com fotos e ilustrações, divididos em práticas de mastigação, deglutição, sucção, postura correta de língua, entre outros. “Aparentemente realizadas com facilidade, essas ações demandam rigorosa avaliação e orientação fonoaudiológica. Alguns movimentos que costumamos fazer no dia a dia, como a hipermímica e a mastigação unilateral, precisam ser evitados para que não provoquem a chamada desordem articular ou o enfraquecimento da musculatura facial”, orienta Valesca.

Por fim, a especialista traz quatro casos clínicos de flacidez, perda de contorno do rosto depois do emagrecimento, paralisia facial e assimetria de bochechas. “Com idade entre 28 e 54 anos, os pacientes revelam a abrangência da fonoaudiologia e o êxito dos tratamentos, quando bem indicados e realizados corretamente e com o acompanhamento profissional.”

Ícaro Ambrósio
Ícaro Ambrósio é jornalista e editor-chefe do site O Contorno de BH.

Deixe uma resposta

Top