Você está aqui
Início > BANCO DE IDEIAS > Marielle de todos nós

Marielle de todos nós

08 de março é o Dia Internacional da Mulher e nós decidimos substituir a cor rosa, da feminilidade, pelo preto, do luto, para tratar esse momento em homenagem à uma mulher que lutou até o último suspiro por todos nós. Estamos falando de Marielle Franco, ex-vereadora do Rio de Janeiro , assassinada em 14 de março de 2018 pela milícia carioca.

marielle-franco-execucao-vereadora-negra-rio-de-janeiro-discursandoUm exemplo a ser seguido, Marielle, tinha um escopo: o de construir uma Rio de Janeiro melhor. E ela lutava com todas as forças por esse objetivo a ponto de seus esforços serem notados pela oposição aos bons valores e num ataque fulminante lhe tiraram o futuro.

Mas assim como Getúlio Vargas, Marielle deixa a vida para entrar na história. Hoje ela é um símbolo, um exemplo a ser seguido. Não só no Brasil, mas em todo o mundo. Essa jovem guerreira é o retrato de uma sociedade oprimida pela ilusão de que há igualdade entre as comunidades, também aos falsos valores éticos e de que somos livres de uma supremacia ácida e consumidora de sangue popular para suprir sua necessidade de poder.

E se alguém se perguntar o porquê de um site hiper local, de Belo Horizonte estar dando notoriedade à sua ausência, deixamos a clara resposta: Marielle não é do Rio de Janeiro. Marielle é de todos nós que mantemos acesa a chama da esperança de um país melhor e de todos nós que nos empenhamos um mínimo para tornar esse Brasil perdido entre escândalos políticos e más escolhas um lugar respeitoso. Marielle é um propósito! Portanto conheçamos um pouco dessa brava mulher!

Nascimento e família
Nasceu em 1980, no Compleco da Maré, um conjunto de favelas localizado na Zona Norte da capital fluminense. Filha de Marinete e Antônio Francisco da Silva Neto, começou a trabalhar aos 11 anos para ajudar a família. Ainda jovem, participou brevemente da equipe de som do Furacão 2000, um baile de funk famoso no Rio de Janeiro, e foi produtora de shows de funk. Em 1998, nasceu sua única filha e então ela abandonou a música para tentar uma carreira como socióloga.

Política
Começou a atuar na política sob influência de Marcelo Freixo, seu amigo pessoal eleito Deputado Estadual pelo Rio de Janeiro. Dez anos depois, Marielle conquistou o seu cargo de vereadora. No site oficial, há menção aos trabalhos desenvolvidos nessa época: “Trabalhei em organizações da sociedade civil como a Brasil Foundation e o Centro de Ações Solidárias da Maré (Ceasm). Coordenei a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao lado de Marcelo Freixo”. Enquanto parlamentar, Marielle presidiu a Comissão de Defesa da Mulher e, quando foi executada, integrava uma comissão para monitorar a intervenção federal no Rio de Janeiro.

Ativismo
Sua cede de justiça e vontade de lutar pelo próximo começou em 1998, após a morte de uma grande amiga vítima de uma bala perdida durante um confronto entre policiais e traficantes da Maré.  Em seu site, Marielle explica que “iniciei minha militância em direitos humanos após ingressar no pré-vestibular comunitário e perder uma amiga, vítima de bala perdida, num tiroteio entre policiais e traficantes no Complexo da Maré. Aos 19 anos, me tornei mãe de uma menina. Isso me ajudou a me constituir como lutadora pelos direitos das mulheres e debater esse tema nas favelas”.

Trabalho
Vereadora eleita com 46.502 votos, Marielle formulou 13 projetos de lei e prestou 35 atendimentos à comunidade. Sua última atividade foi a “Roda de Conversa Jovens Negras Movendo as Estruturas”,  foi um papo com dezenas de mulheres negras que movem os pilares minoritários da sociedade para debater ancestralidade e participação das mulheres negras na política e na vida.

Futuro
Eternizada pela voz da comunidade afro, LGBTQ, feminista e dos que buscam por ideais de liberdade, Marielle tornou-se um exemplo de luta. A hashtag #MarielleVive faz presente em qualquer manifestação política Brasil à fora e seu nome é um instrumento para racionalizar a luta por ideais. Em 2019, foi tema do desfile da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, campeã do desfile no Sambódromo da Sapucaí.

Assista a esse vídeo que Marielle usou para sua candidatura no qual ela fala de sua luta

Ícaro Ambrósio
Ícaro Ambrósio é jornalista e editor-chefe do site O Contorno de BH.

Deixe uma resposta

Top