Você está aqui
Início > BANCO DE IDEIAS > Inverno eleva incidência de doenças respiratórias

Inverno eleva incidência de doenças respiratórias

Basta a temperatura cair para que os casos de gripe e resfriado aumentem consideravelmente, assim como a pneumonia, que durante o inverno pode ocorrer com maior facilidade. Em 2016, segundo a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, o estado registrou 9.807 mil internações em decorrência de pneumonia e 2.519 mortes.

De acordo com dados do Datasus, o período de maio a agosto apresenta uma alta dos casos de doenças do aparelho respiratório. Isso acontece, pois, o clima frio característico da época do ano vem acompanhado pela propagação de vírus respiratórios, que elevam a incidência dessas doenças.

Além de diminuir a imunidade, alguns hábitos comuns no inverno, como manter os locais fechados, aumentam os riscos de contaminação.  “O frio faz com que os cílios das vias aéreas, que filtram o ar respirado, tenham seu funcionamento comprometido. Outro fator também é o próprio tempo que fica mais seco. Assim, a pessoa fica mais exposta aos microrganismos que causam a doença”, explica o Dr. Ângelo Pimenta, clínico geral do Hospital Felício Rocho.

“Tossir é normal, é um ato de defesa do organismo contra fatores agressores do aparelho respiratório, como quando estamos perto de fumaça, por exemplo. Porém, a tosse também pode ser um sintoma de várias doenças, de gripes e resfriados até casos pulmonares graves. O uso de xaropes e expectorantes pode ter efeito paliativo, proporcionando apenas alívio passageiro, o mais importante é investigar e tratar a causa, para abolir a tosse”, explica o alergologista Roberto Souza Lima (foto: reprodução).
Foto reprodução/Google Imagens.

A pneumonia é uma inflamação aguda grave dos alvéolos pulmonares, e que pode levar à morte caso não seja tratada a tempo e da forma correta. Em geral, é consequência de alguma infecção das vias respiratórias causada por vírus e/ou bactérias.

Os principais sintomas são a tosse com secreção, dores torácicas, febre alta, calafrios e respiração curta ou ofegante. O tratamento deve ser prescrito pelo médico, e pode incluir desde antibióticos até a internação nos quadros mais intensos. “A atenção deve ser redobrada, principalmente em relação ao grupo de maior risco: idosos, crianças e pessoas com doença crônicas”, alerta o médico.

Para prevenir, é recomendado não fumar ou beber exageradamente, alimentar-se bem, praticar atividades físicas regularmente, lavar corretamente as mãos, e beber bastante líquido, em especial água e sucos ricos em vitaminas C. Dr. Ângelo Pimenta esclarece que, diferentemente do que as pessoas acreditam, durante o inverno o corpo humano perde muito líquido. Além disso, é preciso estar atento quanto a manutenção do ar condicionado, evitar ambientes fechados e caso os sintomas se prolongarem, procurar um médico.

A vacina também é uma boa forma de prevenção. “Para aquelas pessoas de maior risco, é indicado as vacinas contra a gripe e o pneumococo, principal agente causador da pneumonia”, afirma o médico. Desde que convenientemente tratadas, as pneumonias não deixam sequelas.

Ícaro Ambrósio
Ícaro Ambrósio é jornalista e editor-chefe do site O Contorno de BH.

Deixe uma resposta

Top